SEXUALIDADE E ADOLESCÊNCIA, UM PROJETO


Exercício responsável da sexualidade na adolescência

INTRODUÇÃO

A puberdade é fase marcada por mudanças impactantes no corpo. Um novo sistema endócrino é estabelecido no organismo. Esse simples fato por si só traz à tona uma série de demandas. Lidar com todas as transformações nem sempre é fácil. O discernimento entre um comportamento seguro e uma atitude que impõe risco é imperativo. As fontes de informações que circulam em redes sociais nem sempre contam com respaldo científico. No entanto, uma conscientização mais apropriada dos processos fisiológicos em curso é instrumento crucial para que o adolescente possa enfrentar esse período com alguma tranquilidade e segurança.

Exposição a situações de violência, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), comemorativos do exercício sexual e contracepção são alguns dos temas que precisam ser tratados na adolescência. Os fóruns de discussão que tratam essas questões são restritos. A literatura científica mostra que indicadores que sofreriam impacto positivo com abordagem eficaz dessas questões não estão em declínio em nosso país, nem mesmo nas regiões mais abastadas.

Nos últimos anos temos uma aumento nas taxas de adolescentes portadores de DSTs, assim como também vem aumentando o número de gestações não desejadas nesse período etário.

OBJETIVOS

O presente projeto tem por objetivos promover um fórum de discussão onde adolescentes estudantes dos último anos do ensino fundamental II e ensino médio possam, a partir do tema “exercício responsável da sexualidade”:

- ouvir sobre os dados da literatura científica que abarcam questões pertinentes ao tema, tais como prevenção a situações de risco (violência, DSTs etc), contracepção eficaz, masturbação, relações sexuais;

- perguntar e tirar dúvidas sobre o tema;

- partilhar experiências sobre o tema.

MÉTODO

Um encontro/aula com duração de 60 minutos é ministrado por médico ginecologista. Nessa exposição, são apresentadas de forma didática e divertida as últimas evidências científicas sobre taxas de DSTs, taxas de gestações não planejadas, métodos contraceptivos indicados para a faixa etária, legislação sobre aborto, mecanismos de prevenção a situações de violência. Após a palestra e um breve intervalo de 15 minutos, é aberto um espaço para que os estudantes expressem suas impressões, coloquem suas dúvidas e partilhem suas experiências.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DO PROJETO

  1. http://www.inpad.org.br. Último acesso em 27 de dezembro de 2013.

  2. http://www.casacivil.gov.br/noticias/perfil-brasil.pdf. Último acesso em 27 de dezembro de 2013.

  3. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde a criança/ Ministério da Saúde, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

  4. SINGH S, SEDGH G, HUSSAIN R. Unintended pregnancy: worldwide levels, trends, and outcomes. Stud Fam Plann 2010;41(4):241-50.

  5. Guttmacher Institute. Facts on Unintended Pregnancy in the United States. Disponível em http://www.guttmacher.org/pubs/FB-Unintended-Pregnancy-US.html. Último acesso em 27 de dezembro de 2013.

  6. Guttmacher Institute. Facts on the sexual and reproductive health of adolescent women in the developing world. Disponível em http://www.guttmacher.org/pubs/FB-Adolescents-SRH.pdf. Último acesso em 27 de dezembro de 2013.

  7. Berquó E, Garcia S, Lima L. Youth and reproduction: demographic, behavioral and reproductive profiles in the PNDS-2006. Rev Saude Publica 2012;46(4):685-93.

  8. World Health Organization. Global monitoring framework and strategy for the global plan towards the elimination of new HIV infections among children by 2015 and keeping their mothers alive (EMTCT) [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2012. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/75341/1/9789241504270_eng.pdf.

  9. http://www.antidrogas.com.br/mostraartigo.php?c=1590&msg=Crack%20%E9%20a%20causa%20do%20abandono%20de%2080%%20das%20crian%E7as%20do%20Teia. Último acesso em 27 de dezembro de 2013.

  10. Singh A, Singh A, Mahapatra B. The consequences of unintended pregnancy for maternal and child health in rural India: evidence from prospective data. Matern Child Health J 2013;17(3):493-500.

  11. Trussell J. The cost of unintended pregnancy in the United States. Contraception 2007;75(3):168-70.

  12. Finer LB, Henshaw SK. Disparities in rates of unintended pregnancy in the United States, 1994 and 2001. Perspect Sex Reprod Health 2006;38:90–6.

  13. Trussell J. Contraceptive failure in the United States. Contraception. 2011; 83: 397-404.

  14. ACOG Committee Opinion. Increasing Use of Contraceptive Implants and Intrauterine Devices to Reduce Unintended Pregnancy. Obstetrics and Gynecology 2009, 114(6): 1434-8.

  15. Huber J. Pharmacokinetics of Implanon. An integrated analysis. Contraception. 1998; 58(6 Suppl): 85S-90S.

  16. World Health Organization department of Reproductive Health and Research (WHO/RHR) and Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health/ Center for Communication Programs (CCP), INFO Project. Family planning: a global handbook for providers. Baltimore and Geneva: CCP and WHO, 2011.

  17. World Health Organization. Medical eligibility criteria for contraceptive use. 4rd ed. Geneva: World Health Organization, 2009. Disponível em http://whqlibdoc.who.int/publications/2010/9789241563888_eng.pdf. Último acesso em 12 de janeiro de 2014.

  18. Peipert JF, Zhao Q, Allsworth JE, Petrosky E, Madden T, Eisenberg D, Secura G.Continuation and satisfaction of reversible contraception. Obstet Gynecol. 2011; 117(5): 1105-13.

  19. Foster DG, Biggs MA, Malvin J, Bradsberry M, Darney P, Brindis CD. Cost-savings from the provision of specific contraceptive methods in 2009. Womens Health Issues. 2013; 23(4):e265-71


POSTS RECENTES
ARQUIVO
CATEGORIAS
TAGS